Governo apoiará turismo histórico no Fortim Bass, entregue à população pelo Iphan

No século XVII, a movimentação de tropas e as batalhas em Porto Calvo durante o embate entre holandeses e ibéricos pelo território brasileiro deixou para trás vestígios, artefatos e até mesmo as fortificações utilizadas. A mais recente descoberta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) na região, o Fortim Bass, foi restaurada e entregue à prefeitura de Porto Calvo nesta quarta-feira (15).

Representando o governador Renan Filho, o secretário de Estado da Comunicação, Ênio Lins, parabenizou as equipes pelo trabalho desenvolvido e afirmou que o Governo do Estado vai viabilizar meios para a exploração turística da fortificação do período Holandês no Brasil. “O Governo do Estado, junto com o Iphan e o prefeito David Pedrosa, vai discutir meios e sugestões para que o turismo cultural e histórico seja promovido largamente nesta região, favorecendo os habitantes e a economia local”.

A presidente do Iphan, Kátia Bogéa, afirmou que a embaixada holandesa já manifestou interesse em ajudar na construção do Parque Arqueológico. O próximo passo é formatar o projeto para solicitar recursos junto à bancada federal, pela Lei de Incentivo à Cultura. “O Fortim deve ser usado, principalmente, para entender a força desse país, para acreditar que o Brasil pode ser ainda melhor”, disse. O prefeito David Pedrosa enfatizou que o governo municipal cuidará com todo o zelo do patrimônio histórico.

A restauração do Fortim começou em 19 de novembro de 2017 e teve a primeira etapa concluída no começo de maio do ano passado com a pesquisa e montagem da estrutura da fortificação. O trabalho foi feito pela Arqueolog Pesquisas com parceria da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A última fase, em janeiro de 2019, incluiu a plantação do gramado.

A equipe foi comandada por um dos maiores especialistas em arqueologia histórica do Brasil, o arqueólogo Marcos Albuquerque. “Foi um processo bastante complicado, pois precisamos atravessar o rio com todas as máquinas e equipamentos, mas estamos muito contentes com o resultado”, contou o arqueólogo, que também realizou um trabalho de educação com os operários porto-calvenses que participaram do trabalho.

“Ele nos ensinou cada ângulo do forte, cada função, para que entendêssemos sua importância”, contou João Paulo da Silva, um dos operários locais. “Trabalhar aqui me trouxe muito conhecimento e me sinto muito mais orgulhoso de ser porto-calvense após ter participado da escavação”, declarou.

Também estiveram presentes à entrega o superintendente do Iphan em Alagoas, Mário Aloísio Barreto, autoridades estaduais e municipais, historiadores, arqueólogos e estudiosos, bem como moradores locais.

História

O Fortim Bass, encontrado em meados de 2013, nas margens do rio Manguaba, na Ilha do Guedes, é um provável acampamento de Johannes Lichthard, um almirante neerlandês a serviço da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, entre 1637 e 1645. É o único exemplar de fortificação de terra do século XVII que chegou íntegro aos dias atuais, pois se encontrava soterrado, ressurgindo através de pesquisa arqueológica.

O movimento S.O.S Defensores do Patrimônio Histórico de Pernambuco já planeja trazer o primeiro grupo de turistas para visitar o local. “Uma de nossas ações é a Caminhada Cultural, onde buscamos contar a história dos lugares, conhecer sobre o nosso passado, sobre o que foi preservado, gerar proximidade para que as pessoas desenvolvam suas identidades culturais”, explica Stenberg Lima, coordenador do movimento.19

Ascom – 16/05/20

(Visited 9 times, 1 visits today)